sexta-feira, 24 de março de 2017

[ANIMES] KIZNAIVER (ou vai doer mais em mim do que em você)


Em 2013, o estreante estúdio Trigger alcançou o sétimo sentido da zoeira e transformou uma bagunça de paródia, fan-service e nonsense em um dos animes mais legais daquele ano. Sério, Kill la Kill é um épico sobre o apocalipse da alta costura - isso é tudo que eu preciso explicar sobre o anime.

Em seguida eles emendaram o igualmente sucesso Little Witch Academia. Nada mal, huh?

O que aconteceria então quando uma equipe tão talentosa pegasse um conceito muito mais suculento e fizesse um anime sobre isso? Sério, basicamente o que eles fizeram foi assistir Sense8 e pensar "Hm... E SE...". O resultado final foi apenas dor. De muitos sentidos diferentes.


BEM VINDOS AO SISTEMA KIZNA

Considerando o fato de que o lema da nossa espécie é basicamente "foda-se, não é no meu rabo que vai doer mesmo", um grupo de cientistas e investidores teve uma ideia pitoresca: provavelmente nós seriamos menos cuzões com nossos coleguinhas se nós sentíssemos a dor alheia. Olhando de um ponto de vista prático, realmente ajudaria muito mesmo.

Então, por motivos de whatever ciência, esse projeto foi posto em prática pegando sete adolescentes e compartilhando suas dores. Esses são os "Kiznaivers" do título. Eventualmente, com o aumento de sincronicidade entre eles, não só a dor física seria compartilhada mas também a dor emocional e, em um estágio realmente avançado, o amor e sentimentos positivos. O que é realmente acurado, negatividade tende a se espalhar muito mais rápido e fácil do que emoções positivas (mais sobre isso aqui também). Bom ponto.

Então é, o projeto pegou os adolescentes mais diferentes uns dos outros que podiam e linkou eles à força, como teste para um plano muito maior de fazer a raça humana parar de ser babaca consigo mesma. A ironia da coisa é que o protagonista do anime é um garoto incapaz de sentir dor. Então ele meio que já tocou o foda-se pra vida por causa disso. "Ah, quer me bater? Whatever. Se isso vai fazer tu me deixar quieto, que seja."

Falando sério, o conceito de Kiznaiver é bem interessante. Pena que não foi bem executado.


UADAFÃQUI... 

ENTÃO O ANIME É SOBRE... BEM, O QUE ACONTECE É QUE... O OBJETIVO DA COISA É...

Então, sobre que é esse anime? Bem, resumidamente... nada. E não nada em um sentido "slice of life" ou nihilista da coisa, mas sim nada mesmo. Basicamente os sete personagens compartilham a dor e daí pra frente... bem, meio que é isso. Só. Não tem um mcguffin, não tem uma trama, não tem nada. Eles não investigam nada, não enfrentam nada, não lutam por nada (tanto física quanto emocionalmente). Não... nada de nada.

Sério, dava pra ouvir os "cri... cri... cri..." no brainstorm do roteiro desse anime. A melhor comparação que eu posso fazer desse anime é com o Big Brother. Não o de 1984, o da Globo mesmo. Basicamente é um bando de gente largada lá coçando o saco e, volta e meia, a "direção do programa" solta umas provas aleatórias sem muito propósito (se bem que no reality show até tem um objetivo), e meio que é isso. Aí, como o pessoal não tem mais o que fazer da vida, começa o mimimi de "quem gosta de quem".

Taí, Kiznaiver só falta mesmo ser apresentado pelo Pedro Bial.

Agora, eu não sou daqueles babaquinhas arrogantes do tipo "eu não assisto lixo como BBB porque meu gosto é ultra refinado, e eu sou um ser humano pensante que não assiste algo fútil e imbecil e blablabla". Farpa enferrujada na bunda de quem fala assim. Se é o seu gosto, BBB pode ser uma experiência interessante de se assistir pela dinâmica entre personagens interessantes (e o que você acha interessante é algo que ninguém tem o direito de julgar).

Da mesma forma, Kiznaiver ainda poderia funcionar mesmo sendo um "tratado sobre porra nenhuma" com um elenco interessante. É, eu vejo como poderia acontecer.
Só que, então, bem, sobre o tal elenco interessante...

 Tu tem que lembrar sim, feladaputa: como que o anime INTEIRO se baseia em tu nunca ter reparado que TEM SEMPRE TEVE UMA CICATRIZ DO TAMANHO DO MATO GROSSO DO SUL NO MEIO DO PEITO QUE É IGUALZINHA À DO SISTEMA KIZNA? TAQUEOPAREO CARALEO!

KIZNAIVER: FORÇANDO ARQUÉTIPOS A TEREM FEELS 

O anime é essencialmente um grande estudo de personagens e autoexame das relações humanas. DICA DO DEDÃO PRA CIMA: se esse assunto vai ser o seu tema, existem alguns pré-requisitos esperados para que isso funcione. Você não pode ir nadar em uma piscina sem água, da mesma forma você não pode ter um estudo de personagem sem personagens. Observe que eu disse "personagens" e não "caricaturas", uma distinção que Kiznaiver não parece saber fazer.

Basicamente o que Kiznaiver faz é pegar sete estereótipos de anime e executar cada clichê que poderia esperar daquele arquétipo. Então o grupo é formado pelo protagonista depressivo, a amiga de infância apaixonada por ele, o valentão melhor amigo do protagonista, a presidente perfeita por fora do conselho estudantil... e por aí vai.

Agora, não existe nada realmente de errado em usar estereótipos. Eles são boas bases para construir personagens. Só que você pode começar a desconfiar que algo saiu tremendamente errado quando qualquer um que já tenha assistido anime consegue prever todas as falas de um personagem com dois episódios de antecedência.

Então, quando eles são colocados em uma situação onde eles são forçados a "se abrir", há muito pouco que pode ser feito para desviar a atenção do público da verdade óbvia. Essa verdade sendo que não há nada para realmente puxar a partir desses "personagens", uma vez que não havia nada lá para começo de conversa.

Em outras palavras, o anime lembra muito os erros de Final Fantasy XIII. Os personagens são estereótipos unidimensionais com um único problema, e não existem além disso. No segundo episódio cada um dos "personagens" desse anime revela um problema pessoal no mesmo sentido que um protagonista de anime shounen tem um golpe, e durante todo o resto do programa eles são pôneis de um truque só, que não existem além disso (felizmente esse anime não dura 50 horas, como é o caso de FF 13, ufa).

 Exceto, talvez, tentar não ser um cuzão?

A PIOR CENA DE ANIME DE TODOS OS TEMPOS

Percebendo que não ia conseguir tirar nada de onde tinha nada para tirar, a Trigger, então, usou mão de montar um sistema de Quadrilha. Sim, com letra maiúscula. A da poesia, saca? João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém.

Só que a poesia de Carlos Drummond de Andrade é, bem, uma poesia. Uma ótima poesia, mas que não foi pensada para ser encenada literalmente. Foi exatamente o que o estúdio Trigger fez, colocando na mesma cena sete adolescentes rolando de dor na chuva, porque não aguentavam o terrível desespero de uma paixonite não correspondida que saiu do nada.

Para piorar ainda mais, tanto "amor" assim surgiu simplesmente quando, em determinado episódio, alguém anunciou para o espectador que fulano gostava da fulana que gostava do beltrano, e a partir daquele momento isso passou a ser verdade. É uma aula sobre tudo que você não deve fazer quando escrever um roteiro.

Então, sério, deixa eu colocar novamente o que acontece aqui: meia duzia de adolescentes que se conheceram há menos de um mês estão tão perdidamente apaixonados (e não correspondidos) uns pelos outros, que a dor de sua paixão faz com que eles rolem em agonia pelo chão. Todos os sete. Sincronizadamente.

Eu quero que você tire um momento da sua vida e reflita sobre essas palavras. Saboreie essa imagem mental na sua vida. Se essa não é a cena mais patética que você já viu em um anime, por favor, me diga qual é. Eu preciso saber.
Essa cena sumariza toda falta de noção que Kiznaiver é. Se o anime ainda fosse ridículo assim o tempo todo ainda seria uma diversão pela sua ruindade, mas, infelizmente, na maior parte do tempo, ele é só chato mesmo.
Tu achou que eu tava de sacanagem, né?

TRIGGER, TU TÁ BEM, CARA? PRECISA DE UMA ÁGUA?

Eu realmente não entendi o que aconteceu aqui. Kiznaiver tem uma proposta meio ridícula, mas estamos falando de um estúdio que transformou a coisa mais retardada do mundo em um ótimo anime (vulgo Kill la Kill). Então, o que deu errado dessa vez?

A ideia do que Kiznaiver estava tentando fazer e as ideias originais que ele tinha ainda são intrigantes. É incrivelmente interessante pensar sobre o que aconteceria se um grupo de pessoas compartilhasse suas dores, e se feito do jeito certo poderia ter sido um anime fantástico.
Infelizmente, no entanto, o show vai na direção mais chata possível.

Kiznaiver está cheio de personagens contrastantes. Eu não encontrei um momento em que eu pensei que qualquer personagem era semelhante, o que é uma parte muito importante da história. Todos os sete são supostamente incompatíveis, ou então esta experiência não funcionaria da maneira que os cientistas esperavam. No entanto, mesmo eles sendo muito diferentes uns dos outros, isso não os torna interessantes. Mesmo que tenham algumas boas ideais ai (eu gostei muito da ideia da Nico deliberadamente escolher agir como "guria retardada de anime", mesmo ela não sendo), que nunca são desenvolvidas.

Para piorar as coisas, o romance entre os personagens chora de tão ruim. Os criadores apenas forçaram cada personagem (dá a impressão que sortearam depois que o anime já estava escrito, de tão ruim que é a coisa) a se apaixonar um pelo outro, em uma tentativa de criar drama. Eu não posso estressar o suficiente o quanto não há absolutamente nenhuma base para esses sentimentos.
Essa narrativa ruim não é restrita aos romances, é claro. Kiznaiver exibe quantidades copiosas de drama que se originam de nada que faça vagamente sentido. Personagens fazem coisas sem razão nenhuma senão criar situações que os animadores queriam desenhar.

Ou eu estou desatualizado e todas DR de adolescentes hoje em dia são intensas assim?

Você provavelmente está pensando, "Ah, mas as pessoas fazem merda exageradamente dramática por razões estúpidas o tempo todo."

Isso é verdade. No entanto, se você perguntar a qualquer pessoas, ela sempre lhe dará uma razão. Mesmo que seja uma razão estúpida ou mais simplificada, vai ser uma razão que os impulsiona. Kiznaiver não faz absolutamente nenhuma tentativa de mostrar ou dizer por que certos personagens fazem as coisas que fazem, ou porque certos personagens amam as pessoas que amam. Para alguns personagens você pode deduzir o raciocínio por trás de suas ações, mas para outros você não tem explicação melhor do que "porque sim". E se tem algo que eu aprendi na minha vida, é que "porque sim" não é resposta.

Kiznaiver tenta manter os elementos patetas que funcionaram em Kill la Kill (a começar pelo visual, o rip-off é tão na cara dura que, no começo, eu achei que fosse uma paródia intencional), mas isso simplesmente não funciona bem. Parece que os criadores entraram em confronto com diferenças criativas, e não tinham ideia do que eles queriam que o resultado fosse. Pouco surpreendentemente, não foi nenhum.

Teria funcionado melhor como um "Slice of life" pateta ao invés do trem melodramático de destruição que se tornou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário