quarta-feira, 14 de junho de 2017

[AÇÃO GAMES 007] NIGHTMARE BASKETBALL (Master System)



De boas intenções é pavimentada a estrada para o inferno, já dizia o ditado. E dificilmente você verá intenções melhores do que um jogo de basquete em que monstros do folclore ocidental e oriental enfrentam a maior ameaça do terror de ambos os lados do globo: um time de quintuplus gemeos. É tipo Liga de Mutantes, só que uns cinco anos antes.

Quando você enfrenta o time de lobisomens, para enterrar a bola é mostrada uma animação do Lobisbron James (viram o que eu fiz aqui? Hã? Hã?) dando uma pirueta dupla carpada e enterrando a bola. Muito incrível, de verdade.

O que é um conceito bastante legal, na verdade. Pena que sua execução é dolorosamente mal feita.

Vamos começar falando sobre o que não funciona nesse jogo: jogar ele. Sério. As diagonais não funcionam (acho que esqueceram de programar movimento em diagonal nesse jogo), os passes são completamente aleatórios (sim, você não escolhe para quem passa a bola quando aperta o botão) e eu terminei o jogo sem entender realmente como você rouba a bola.

Acho que tem haver com ficar parado na frente do adversário e esperar você herdar a bola por meiose, mas as vezes isso é falta. Não sei, é tão aleatório que é dificil dizer. Honestamente não parece que o jogo saiba também, porque você avança na quadra adversária com o oponente na sua frente e nada acontece a não ser ele deixar o seu personagem mais lento.

Uma coisa que certamente não é aleatória no jogo é acertar a bola na cesta. Eu digo isso porque não tem aleatoriedade nenhuma aí: você quase sempre acerta. De fato, você tem que se esforçar muito para errar uma cesta - tipo atirar de lugares estranhos da quadra ou algo assim, porque senão é apertar o botão e marcar.

Ou isso, ou eu sou um gênio do basquete de Master System - que seria um poder mutante pior que o da Jubileu. Mas acho que só o jogo que é mal programado mesmo.

É impressionante que o jogo só tenha duas opções de ação - passar e arremessar - e consiga falhar miseravelmente em ambas. Uma não funciona e a outra funciona sempre. Uau. Apenas uau.


 Visualmente o jogo impressiona. Não no bom sentido: eu não lembro de alguma vez ter visto efeito de flickering (quando os personagens ficam piscando porque o videogame não tem capacidade de reproduzir tantas imagens na tela) em um jogo de esporte, mesmo em outros jogos do Master System. Então é um jogo de basquete que metade do tempo você não vê os jogadores porque o Master não dá conta de mostrar todos na tela ao mesmo tempo.

Essa enterrada dos lobisomens é muito maneira.
Pena que você nunca irá jogar com eles. Nunca,
Jamais. Mwahahahaha.
Falando em mostrar, visualmente o jogo é muito legal. Tem times de vampiros de cartola, lobisomens e alguns onis e espiritos do folclore japones... PENA QUE VOCÊ NÃO PODE JOGAR COM NENHUM DELES. NUNCA. Sério, mesmo no modo dois jogadores você não usa os times de monstros, você sempre joga com os quintuplos protagonistas de anime só que com outra paleta de cores.

Ah vão se foderem, eu poderia relevar alguns dos problemas do jogo se eu pudesse jogar com um vampiro de cartola, mas não, é claro que não né? Nem isso esses ranhentos quiseram me dar. 

Para não dizer que o jogo não faz nada certo, acho que é um dos poucos jogos que eu vi na minha vida que permite você jogar com Cuba (no modo dois jogadores você escolhe países). É alguma coisa, mas eu realmente preferia os ciclopes espiritos do rio...




Nenhum comentário:

Postar um comentário