quinta-feira, 19 de outubro de 2017

[AÇÃO GAMES 008] ULTRAMAN: TOWARD THE FUTURE

Sou tão sexy que me colocaram na capa duas vezes!
 
Um homem de colant contra monstros gigantes. Tipo Street Fighter, mas com monstros! Como isso poderia não se traduzir em um grande jogo? De muitas maneiras, eu diria Bem, eu joguei ele - isso é algo a se dizer. E ele é ruim. Puta merda, como esse jogo é ruim. Puta merda como é ruim!


Na década de 60, uma série de TV sobre um super-herói alienígena gigante que luta contra refugos dos filmes de Godzilla em cada episódio foi dublada e trazida para o ocidente. Era Ultraman, e eu entendo que goza de um status cult até hoje. Nunca entendi porque, mas enfim.

Na década de 90, uma nova tentativa foi feita mas não dublando o show e importando ele. Eles lançaram sua própria versão do Ultraman com seus próprios monstros, seus próprios atores falando inglês e seu próprio roteiro (se você pode dizer que Ultraman realmente tem uma trama). Foi uma  produção nipo-australiana chamado Ultraman, Towards the Future, e porque era a era do Capitão Planet e Widget (você não lembra dele? Sorte sua!), uma mensagem gentil sobre abraçar arvores foi inserida no show. É uma série que os monstros gigentes vem do lixo apenas porque sim como não?

Bem, o visual do jogo é fiel a série. Isso não pode ser tirado da Bandai, ao menos
Como desgraça pouca é bobagem, um videogame foi lançado com base nisso. Infelizmente, nem o jogo nem o show foram muito bons, e ambos foram rapidamente esquecidos. O enredo (que não afeta o jogo) são os astronautas Jack Shindo e Stan Haggar vendo um monstruo semelhante a lama (Gudis, seu primeiro oponente) em Marte, que os ataca e mata Stan. Ultraman luta contra o monstro, que se transforma em germes que viajam para a Terra e transforma o lixo em monstros. Pq, né?

Para lutar contra eles, Ultraman se funde com Jack e o volta à Terra. Sempre que as coisas ficam muito quentes para Jack lidar (ou seja, uma vez por episódio), Jack pode se transformar em Ultraman para salvar o dia. Não foi a pior coisa que eu já vi, mas vamos lá. 

SPOILER: Você é Ultraman. Seu trabalho é matar monstros gigantes. Mas o jogo de video Ultraman é pior do que a série de TV (e considerando que o Ultraman in Towards the Future se movia como se ele tivesse bebido um balde de descongestionante nasal antes de ir para a luta, isso significa alguma coisa.

A outra coisa boa desse jogo é que o nome dos inimigos parece que foi inventada pelo Didi Mocó. Onde mais você enfrentaria Gudis, Degola, Barrangas, Zebokon, Majaba e Gudis II? Todos esses nomes são reais.

Seus movimentos tem lag e leva muito tempo para carregar seus ataques de energia. Isso é muito importante, porque você não pode simplesmente socar os inimigos até a barra de vida deles acabar. Quando a energia do inimigo esgota ela é substituida por um " Finalizar'', onde você tem que soltar o especial de nível 4 para só então vencer a luta. E a barrinha de especial enche muito lentamente

E depois disso, você desencadeia uma grande explosão de ultra-energia no inimigo de seu inimigo.

Bem, isso não soa tão ruim assim, não é? Qual é o problema então? Ora, acontece que Ultraman - Towards the Future sofre a mesma falha que qualquer jogo onde seu cara não luta muito bem: todos os caras que você precisa lutar sabem como lutar bem. Os ataques deles são rápidos e com tanto alcance que acertou a sua folha de alface enquanto lia esse texto, e eles sabem exatamente como usá-los. Ao contrário do seu, que não responde, é estranho e só é útil se o monstro estiver ao seu lado. Claro, você tem a opção de usar seus golpes de energia mas isso esvazia a barra de especial e você precisa dela no máximo para poder vencer a luta.

Sério, imagine isso: tipo se o Ryu só vencesse dando um especial nivel 4 quando a barra de vida do inimigo zerar, mas cada hadouken gasta a barra de especial. Que bosta.



Seu pior inimigo não é Gudis ou Degola, são os controles de luta lentos. Além disso, os monstros recuperam sua energia. Mas ja é realmente difícil chegar perto o suficiente para causar danos a eles em primeiro lugar. E mesmo que o personagem fizesse o que você quer, todo o jogo é apenas um monstro depois do monstro depois do monstro. É realmente monótono com nada feito para preencher as lacunas. Se você já viu algum sentai na vida, sabe que normalmente as partes do monstro gigante são as mais desinteressantes (exceto o Daileon pq ele é foda). O jogo é um grande recorte justamente dessa parte menos interessante. 

Os gráficos e o som são ok para um dos primeiros jogos do SNES, mas gráficos e som não carregam um jogo se os controles não funcionarem como deveriam. É fácil dizer que a culpa é que justamente esse é um dos primeiros jogos do SNES e eles ainda não sabiam programar, mas aí então lembramos uqe a primeira leva de jogos do SNES tinha "apenas" Sim City, Super Mario World, F-Zero e Actraiser. Qual é a sua desculpa, Bandai?


Nenhum comentário:

Postar um comentário